quarta-feira, 3 de junho de 2020

Andre Matos: Documentário lança redes sociais de “Maestro do Rock”

Andre Matos: Documentário lança redes sociais de “Maestro do Rock"



Prestes a completar um ano de sua partida, produtores anunciam que Andre Matos irá ganhar um filme. Autorizado por ele em vida, “Maestro do Rock” irá mostrar momentos inéditos do vocalista desde a infância até alcançar sucesso mundial.

Pensando nos fãs, o diretor Anderson Bellini e o produtor Thiago Rahal Mauro acabam de lançar as redes sociais do documentário. Os produtores pedem para que os fãs se inscrevam no canal do YouTube para receber o trailer em primeira mão. As redes sociais serão abastecidas de acordo com o cronograma oficial.

Em homenagem ao cantor, e equipe preparou um videoclipe da música “I Will Return”, faixa do álbum “Mentalize”, de 2009, com cenas inéditas da época.


Assista“I Will Return”





Informações completas sobre o documentário serão divulgadas em breve em todas as mídias oficiais do documentário e na imprensa especializada.

Acompanhe “Andre Matos – Maestro do Rock” nas redes sociais:









Fonte: 

TRM Press

terça-feira, 5 de maio de 2020

Banda Extermínio de Dourados Mato Grosso do Sul fecha parceria com a Cianeto Discos



Banda Extermínio de Dourados Mato Grosso do Sul formada em 2004, em 2015 lançou seu primeiro trabalho independente em cassete “Zona Mortal” fechou parceria com a Cianeto Discos para o lançamento de seu Full  Ocifial batizado de Alcatéia Macabra com previsão para 2º semestre 2020.





                                                 




segunda-feira, 4 de maio de 2020

Incarnated Solvent trabalhando no primeiro Ep "Solvent Among the Abyss "




Incarnated Solvent  de Dourados Mato Grosso do sul formada em 2017 com Anderson Echeverria Vocal e Baixo e Felipe Silva Guitarra Programações  músicos experientes de longa data, Anderson com passagens bandas Across, Lord of Desire, Ethel Hunter, Suggillation (Atualmente),  e Felipe integrou o Misbehaviour estão  trabalhando no primeiro Ep "Solvent  Among the Abyss " com previsão de lançameto para 2021 e agora com o reforço do experiente guitarrista Renato Rieche   ex Division Hell e Doomsday Ceremony.


Renato Rieche






https://www.facebook.com/incarnatedsolvent666/
 

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

BANDA DELUGE MASTER DE NATAL RIO GRANDE DO NORTE VOLTA COM FORÇA TOTAL

Banda  DELUGE MASTER de Natal Rio Grande do Norte formada em 2002, lançaram em 2002 a Demo  Death of Death em 2005 com cinco músicas, muito bem aceita no meio Underground, após um tempo imbernada volta com força total com os remanecentes Elson Monteiro agora na Guitarra e Sergio Gomes no Baixo, houve uma inverção dos instrumentos e Sidhia Najara no Vocal e novos integrantes Lucas Lima guitarra e Marcio Cezar Bateria. Após reestreiar nos palcos no 5º Rock Periférico no dia 05/10/2019  a Banda se apresentara no  El Rock Bar 27/12/2019, em 2020 pretendem lançar seu Full Álbum com 12 músicas e resgatando algumas músicas do seu primeiro trabalho.   














  https://www.facebook.com/Deluge-Master-212314625461194/

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

1º METAL ROCK EM ITAPORÃ - MATO GROSSO DO SUL - 16/11/2019





1º Festival Metal Rock em Itaporã-MS com realização do Trio Parada Produções (Jhonny, Marcio Augusto, Norato Marques)  foi  uma tarde/noite perfeita. tomara que seja o primeiro de muitos.





GRIFFIN
VALDEIR GRIFFIN
A primeira banda subir ao palco foi Banda da casa Griffin, com experiência a banda mandou se Heavy Metal clássico com músicas do Savatage, Megadeath e músicas próprias do seu primeiro cd e a música nova Sangue amargo que foi lançado o vídeo clip recentemente, banda formada por Cristiano Guitarra, Valdeir Zóio Batera, Danillo Mendes Baixo e Guilherme Batista Vocal, segunda banda a subir ao palco foi a Ploc Monsters trazendo o Rock Nacional com músicas Chico Science e Nação Zumbi, Barão Vermelho, Raul Seixas,  e tocando duas músicas próprias que estará presente no primeiro trabalho altoral, Sou Capaz e Escolha Banda Jhonny bateria, Enio Cosme Guitarra, Gerson Fagner baixo e Marcus Paulo Vocal,  tanto Griffin quanto Ploc Mosnters sofreram um pouco com o sol escaldante que estava, mas sem que comprometesse a performance  dos caras.
PLOC MONSTER
 A Próxima banda a entrar foi o Salada Cósmica com  seu  Groove/Funk  com influência de Tim Maia, com vários covers do sindico do Brasil e a  uma música autoral  Acredite a banda formada por Gustavo Oliveira Vocal,  Edwin Giuliano Guitarra, Bateria Jhoony e Andre Chamorro baixo  que tem performace impressionante o Grovador do MS srs.

SALADA CÓSMICA
MISBEHAVIOUR


                                                                     

MISBEHAVIOUR
A  Misbehaviour
banda veterena com mais de 20 anos de estrada  apresentou várias musicas do Sistem of Down mesclando coma  músicas próprias, os caras tem ate fã clube, com presença grande no festival  e a galera pulando muito formada por Jhoony Bateria, Nairon guitarra, Teclado Guilherme, Baixo Pablo Leite e Gilson vocal o cara mega carismático.

Zangra  Punk/Hardcore / Crossover foi a próxima banda tocando as músicas  que estará  presente no seu primeiro trabalho, Jhonny Bateria Pablo vocal Klaus Guitarra  e Danillo Mendes Baixo primeiro show da sua volta a banda “o mal filho a casa torna” .  




Buteku´s

Banda Buteku´s de Rock in Roll  Dourados  tocando covers  Ramones, Whitenaske, Deep Purple mesclando com musicas próprias do seu novo lançamento Bixo Homem,  a letra dessa música e para fazer as pessoas pensarem , Marcelo Banze no Baixo, Vocal Rudson Lopes e Norato Marques bateria,
ATROPELO
 Atropelo de Rio Brilhante mais uma banda veterana no cenário, trazendo o Caos para o festival com apresentação Teatral espetacular e uma agressividade incrível, a aprensateção da nova formação, mas pareciam que estavam tovando a anos juntos, Christiano Lellis Guitarra, Streck Vocal, Alifer B.K. Bateria e Diego Oficina. 
PREDOMINIUN

E Para Feixar Predominium 


banda de Itaporã que tambem está prestes a lançarem seu trabalho altoral, ainda tocaram cover de Slayer Obituary, Rotting Crist e Sepultura foi um fecha
mento histórico para o resnascimento da cena local Rock Metal de Itaporã com presença de publico de Dourados, Rio Brilhante, Maracaju e Nova Alvorada.
  

Apoio:
Prefeitura de Itaporã foi apoio da Getcel (gerência  de turismo, cultura e lazer), gerência de comunicação.

Fotos Edu Mendes











































domingo, 10 de novembro de 2019

1º METAL ROCK EM ITAPORÃ - MATO GROSSO DO SUL - 16/11/2019






Primeiro Metal Rock em Itaporã - Mato Grosso do Sul será realizado dia 16/11/2019 no estádio Chavinha, com entrada gratuita a partir das 13:00, maior evento de todos os tempos na Regiao com Predominium que está prestes a lançar seu primeiro trabalho,  Ploc Monster com seu Rock Nacional nervoso, Buteku´s trazendo Rock`n roll clássico, Salada Cósmica Groove Funk avassalador, Zangra com seu Hardcore, Misbehaviour banda com 20 anos de estrada apresentado nova formação e música nova, Atropelo com o Caos Metal  Brutalidade  e Peso e Griffin Heavy Metal Tradicional.

Relização:
Trio Parada Dura

Jhonny Carlos

sábado, 22 de junho de 2019

COMANDO ETÍLICO (RN)




Banda Comando Etílico honrando o Metal Nacional



Comando Metal Zine – Como surgiu a ideia de montar o Comando Etílico e porque batizaram com esse nome?
Hervall Padilha - David e Lucas Praxedes, (respectivamente baixo e guitarra/vocal) fundaram a banda em 2003. Aliados a Kleber Barbosa (bateria), começaram a ensaiar na condição de um power trio. Essa foi a ideia inicial e fazer um resgate do Metal cantado na língua pátria sempre foi parte do plano. Com isso, três músicas foram compostas, as quais eram parte dos shows que contaram com essa formação, junto a alguns covers para compor o set. Eu, Hervall Padilha (voz) me juntei a banda em 2005, fechando assim, a formação que permanece até os dias modernos. O nome COMANDO ETÍLICO nasce da feliz coincidência de apreciarmos uma boa bebida forte, muito presente em nossas confraternizações, mas sempre como parte de um conceito ligado a diversão e nada mais que isso. A diversão pode ser encontrada num copo gelado de cerveja, a solução dos seus problemas, essa, certamente não está lá, a menos que você seja dono de uma fabrica de bebidas (risos).


Comando Metal Zine – Você Hervall entrou depois na banda, como convenceu eles a entrar na banda, sendo que Lucas Praxedes (Guitarra) ocupava o posto de vocalista também?

Não se tratou de convencimento. A coisa aconteceu de forma muito natural. Eu havia saído de uma banda por divergências ideológicas e musicais. O COMANDO ETÍLICO faria um show na semana seguinte e quando os vi, achei que seria uma boa tentar me juntar aos caras. Eu me amarrei no som e era exatamente o que eu procurava em termos musicais naquele momento. Falei com David em particular e o mesmo me comunicou que a banda acabaria, pois o baterista havia saído... (fiquei triste) mas, minha formação musical foi construída como baterista e à época, eu queria tanto entrar na banda que ao saber disso propus uns testes em sendo eu o baterista. Para a sorte de todos, Kleber decidiu voltar e assumi assim a voz. Ao fim, a banda consolidou sua formação e não nos separamos mais.

Comando Metal Zine – O primeiro trabalho do Comando Etilico foi o DVD “Metal e Prazer ao vivo” em 2005 mas não foi lançado oficialmente ...

Esse DVD é na verdade a captação de um show, com uma única câmera. Tudo feito por um amigo próximo com o intuito de registrar aquele momento de forma documental. Não se trata de um show com boa produção de áudio e vídeo, mas vale como registro/documento de uma época, como muitos espalhados pela rede. O mesmo nunca foi lançado oficialmente pelos motivos acima citados.

Comando Metal Zine – Como surgiu a ideia de homenagear a cena Metal de Natal com a música Estação Antiga?

Um de nossos pontos de encontro no Centro Histórico de nossa cidade. A Estação Antiga (para os que não conhecem) era um antigo terminal rodoviário onde costumávamos nos reunir para beber e trocar ideias. Um local boêmio que era facilmente frequentado por poetas, mendigos, artistas, bêbados maltrapilhos, músicos, etc... a Estação Antiga era irretocável e linda por ser inóspita e acolhedora ao mesmo tempo. Após sua revitalização, poucos bares tradicionais de lá resistiram e nós, aos poucos, fomos nos distanciando por não nos identificarmos mais como local em seu atual modelo.
 
Comando Metal Zine – Em Força Motriz, o riff lembra Piranha do Exodus foi homenagem ao Exodus, ou apenas coincidência?

Adoramos o Exodus! Mas foi realmente uma coincidência.

Comando Metal Zine – Como foi a participação no Tributo ao Stress Amazonia inferno Metal com a musica Inferno Nuclear, a musica foi escolha do Comando Etílico?

Quando soubemos de nossa participação/confirmação no tributo, algumas canções já haviam sido escolhidas pelas primeiras bandas que lá chegaram. Então, entrei em contato com a produção para saber se Inferno Nuclear ainda estava disponível e a resposta foi positiva. É uma música muito forte e tem muito a ver com nossa forma de composição. Creio que escolhemos bem e, em particular, gostamos muito do resultado final.

Comando Metal Zine – Você Hervall viveu o inicio do Heavy Metal em Natal Rio Grande do Norte, conheceu a lendária Whiplash Discos e  Luziano Rock Stanley ...

Luziano (RIP) foi um dos pilares do Heavy Metal em Natal/RN. Uma figura seminal. Atuou em diversas frentes ligadas ao tema e sempre em defesa do gênero. Produziu fanzine, gravadora, bandas, etc... Sua extinta loja, a Whiplash Discos, foi naqueles dias, como um templo sagrado para nós, Headbangers potiguares. Éramos como órfãos e conseguir discos era algo heroico antes da loja existir. Só importando ou mesmo comprando através de anúncios em revistas. Coisa de 3 meses pra chegar um ou dois LPs. A Whiplash Discos reduziu esse prazo a praticamente zero. Passamos a acompanhar os lançamentos com um intervalo de poucos dias. Vale sempre lembrar que me refiro a um tempo pré-internet, pré-celular, etc... Mas, acima de tudo, gosto de lembrar do Luziano como um cara honesto e simples. Coisa que sempre foi muito rara entre os humanos. Sinto saudade do meu amigo.

Comando Metal Zine – Ainda sobre essa época você integrou a primeira Banda de Death Metal de Natal-Rn Insane Death ...

Sim, e foram dias muito bons! É um estilo que vimos nascer e seus expoentes foram nossas principais influências e inspirações. Lamentavelmente o Insane Death não chegou a gravar nada de qualidade profissional. Tudo que deixamos como nosso legado e com nossa assinatura são duas demos gravadas a partir de ensaios da banda. Tudo ao modo antigo, gravador no chão e o Metal comendo no centro! Nem estúdios de ensaio haviam por Natal naquela época. Foram muitos shows dentro e fora do estado, viagens e amigos que fazem parte de nossas vidas até hoje. Houve por parte da gravadora Whiplash, uma proposta para gravarmos um compacto, mas nesse mesmo período, a doença chegou na vida de nosso amigo e com o falecimento do Luziano e o fim da gravadora, não concluímos esse que, talvez pudesse ser o capítulo mais importante de nossa breve carreira.
Herval-David-Kleber-Lucas

Comando Metal Zine – “Selvagens da Noite” (título original: “The Warriors”) foi inspirada no filme de mesmo nome, lançado em 1979, vocês até fizeram um clip com imagens do filme...

Uma homenagem modesta em meio a tantas outras ao redor do mundo. Sim, o filme serviu de inspiração pra nossa música de mesmo nome e o público sempre a recebeu muito bem. É sempre muito difícil sintetizar uma gama de informações de um longa-metragem numa letra com algumas estrofes, mas, ao fim acho que conseguimos um bom resultado. Para o clipe foram usadas imagens que inspiraram cada estrofe, seguindo sempre a ordem cronológica da película. Selvagens da Noite é uma das grandes obras da sétima arte. Essencial para qualquer amante de cinema.

Comando Metal Zine – Como foi a repercussão de Metal e Prazer (2007) e Comando Etílico (2010)?

Ambos são bem comentados até os dias atuais. Fizemos um trabalho honesto e o que entregamos ao público é sempre o nosso melhor. Agradar ou não é algo que faz parte de um processo natural em qualquer seguimento artístico. Mas te respondendo especificamente: a repercussão desses dois discos foram sempre positivas para nós.
 
Comando Metal Zine – As capas do Comando Etilico são muito foda...

Obrigado, Márcio! Tentamos sempre trazer em nossas capas algo emblemático e que não envelheça ou se torne comum com o passar do tempo.

Comando Metal Zine – E os shows do Comando Etílico como estão? Já surgiu oportunidade de tocar fora da Região Norte/Nordeste, você acha que a logística atrapalha um pouco?

Os shows nunca param. Após o término de nosso mais novo disco, retomamos os ensaios e já começamos a agendar novas datas para essa temporada que, trará um novo show com canções de nossos 3 discos e algumas surpresas.

A logística sempre atrapalha, mas não apenas a nós do Nordeste. A logística é um problema nacional e isso se deve ao tamanho do nosso Brasil. O que costumo ver o ouvir, estando há tanto tempo no meio metálico é: Precisamos nos unir, etc... Mas, se parte dessa união fosse, por exemplo, dos promotores de shows, certamente as coisas seriam mais simples e aconteceriam com mais frequência nos quatro cantos do nosso país. Conosco isso já foi testado e aprovado. Dois ou três produtores de uma mesma região e de cidades próximas se juntam, dividem os custos gerais, a banda viaja e faz os shows num mesmo fim de semana e tudo acaba bem.

Alguns insistem em pegar a estrada se bancando e gastando uma grana que muitas vezes poderia servir para gravar um novo disco ou coisas do tipo, de forma totalmente independente. Me entristece saber que amigos de grande talento ainda não perceberam que, bandas não existem por causa de gravadoras/selos/produtores... é justamente o contrário.
 
Comando Metal Zine –  Em 2011 vocês lançaram single Legado, com vídeo clip ...

Sim, Legado foi nosso primeiro vídeo clipe oficial e contou com uma ação colaborativa entre amigos. Nada teria sido possível sem essa ação. O filme trás uma linguagem folclórica a cerca do tema e quase dez anos depois ainda é visto como algo relevante dentro de nossa realidade. Há um novo clipe a ser lançado para a música Estação Antiga, regravada em nosso disco mais novo; Heavy Metal Réu.

Comando Metal Zine – E em 2015 mais um single de  Jonny  Letal...

Sim, Jonny Letal foi lançado como single na intenção de apresentar Heavy Metal Réu que, seria à época nosso próximo disco. Foi quando perdemos tudo! Gravação e mixagem foram perdidas num estalar de dedos em virtude de uma pane no estúdio, onde até os backups se danificaram (longa história). Em resumo, regravamos e mixamos tudo e o disco foi lançado com um “atraso” de quatro anos da data que pretendíamos lança-lo.

Comando Metal Zine – Heavy Metal Réu, o novo disco do Comando Etílico me pareceu mais agressivo não apenas no aspecto musical, a sonoridade do disco também é diferenciada. Aliás, parabéns pelo novo álbum...

Obrigado, Márcio! Heavy Metal Réu é um disco pesado a começar do trabalho que tivemos para concluí-lo (risos). Mas, com relação ao aspecto musical lhe soar mais pesado, isso se deve a produção final que começou com a captação de Felipe Rebouças e Nilson Eloy/Estúdio Sonorus e finalizando com a mixagem e masterização de Adriano Sabino/Black Hole Studio. O disco está mais denso em termos de timbragem dos instrumentos e voz e a produção contribui pra essa percepção. Mas é o nosso som, tal qual o fazemos desde Metal e Prazer (2007). Pesadas ou rápidas, nossas músicas são sempre objetivas. É nosso estilo de fazer Heavy Metal.
 
Comando Metal Zine – Os temas das letras do Comando Etílico em todos os discos são sempre variados. Conceitos universais, mitologia, diversão, cotidiano. Músicas como Atlântida, Heavy Metal Réu, Gangue das Correntes e Maldição se destacam, além das letras, também por seus riffs grudentos. Quem escreve as músicas e letras...

Bacana, Márcio. Que bom que gostou. As músicas são compostas por toda a banda. Lucas chega com uma ideia de um riff ou mesmo com o esqueleto de uma canção e nós vamos fazendo os ajustes, elaborando arranjos e harmonias. As letras finais são escritas por mim, mas todos nós colaboramos. Infectado Pelo Metal, por exemplo, foi um tema sugerido por Lucas e eu apenas construí a letra de uma melhor forma para ajudar na elaboração da melodia de voz. Cantar em português não é nada simples e uma boa construção da letra é algo muito importante.

Sobre os temas, temos essa liberdade e não abrimos mão dela. Muitos imaginam o COMANDO ETÍLICO como uma banda que só aborda temas ligados a farra e som... Não é bem assim. Abordar temas distintos e meter o dedo na ferida dessa sociedade podre é necessário e salutar. Heavy Metal Réu trás o conceito de um representante do clero sendo julgado por seus crimes, Rebelião aborda uma revolta em prol da redenção de um povo oprimido, Tormento relata a força e coragem de um povo ao defender suas famílias de uma tirania escravocrata, etc... Tudo escrito de forma metafórica e atemporal. Ao passo que, relatar nossas experiências do cotidiano também nos agrada.
Em Natal com Hervall e Sergio Deluge no Beco da Lama

Comando Metal Zine – Muito obrigado pela entrevista, e pela recepção que tive quando fui a Natal e mande um abraço ao nosso camarada Sergio Deluge Master, Valeu. Considerações finais.

Te agradeço pela oportunidade do bate papo e digo que foi uma satisfação ter conhecido você e sua família quando estiveram em Natal. Serão sempre bem vindos. Sérgio Deluge é um grande amigo, um cara ímpar. Sempre presente nos shows e nos bares da cidade (risos).

Obrigado em nome do COMANDO ETÍLICO por essa oportunidade, Márcio. Conte sempre conosco. Viva o Heavy Metal!
   
      Contatos 

terça-feira, 11 de junho de 2019

Banda Griffin de Itaporã Mato Grosso do Sul lançara sua nova música de trabalho




Banda Griffin de Itaporã Mato Grosso do Sul, formada em 2013, já com um trabalho lançado em 2018  entitulado "Feixe de Luz" que contou com quatro faixas,   estará lançando dia 13 de Junho sua nova música de trabalho com o Clip Sangue Amargo, no seu canal do YoutubeNO SEUa primeira composição da banda com  Guilherme Oliveira nos vocais, completando a banda com Danillo Mendes Baixo, Cristiano Heitor Guitarra e Valdeir  Zóio Bateria. A gravação da música feita por Felipe Silva,  imagens vídeo clip e edição feita pela própria banda.




                                            https://www.youtube.com/channel/UC5m2LJ_nZ82Svad3Tostsdg

  Contatos: 67 99650-3536
                  67 99638-3413

CORPSE GRINDER (2010)



A banda Mineira Corpse Grinder comemora 20 anos de estrada com o lançamento do DVD/CD “20 Years Grinding Corpses. Conversamos com Junior líder da banda. 

Comando Metal Zine –  O Corpse Grinder  está na cena desde 1987. O que mudou da época que vocês começaram para os dias de hoje e o que mais os deixam orgulhosos durante esses anos de carreira?
Junior: Mudou muita coisa, umas para melhor, outras para pior. O que melhorou muito é a facilidade de se arrumar materiais oficiais de tudo quanto é banda que você quiser, antigamente para se arrumar uma fita demo mal gravada de uma banda que você gostava dava o maior trabalho, mas justamente por essas dificuldades os bangers eram mais unidos e trocavam mais idéias para conseguirem mais materiais, hoje a facilidade que existe cada um liga seu computador, procura, acha, compra ou baixa o som que quiser, devido a essa facilidade eu sempre digo, que hoje o underground já não é tão underground como antigamente, porque antes quem tinha álbuns de metal, demos ou k-7 original, era porque gostava realmente e corria atrás mesmo, se você era um verdadeiro banger você tinha que correr atrás do som e hoje qualquer um tem som underground em casa, independente de ser ou não headbanger, por isto que existe muitos modistas atualmente.O que me deixa orgulhoso é viver todo esse tempo no underground e ver o tempo destruir os modistas, que vão desaparecendo uns e surgindo outros e estar firme no underground tocando nosso Death Metal simples, mas com honestidade e estar lançando nosso material comemorativo de 20 anos chamado “20 Years Grinding Corpses”,que será lançado pela Kill Again Records em Julho de 2009.


Comando Metal Zine – Quais as maiores dificuldades que a banda atravessou durante esses anos?

Junior: As mesmas que toda banda underground passou, como falta de equipamento, de técnica, de apoio e de informação, principalmente quando se trata de uma banda do interior, de uma cidade pequena.

Comando Metal Zine – A formação do Corpse Grinder, sofreu diversas alterações, como você lida com essas mudanças?
Junior: Nós sofremos mais alterações na bateria, pois o Rômulo, o baterista da formação original saiu da banda duas vezes, a primeira vez que ele saiu foi substituído pelo Evandro, que chegou a gravar uma demo ao vivo, a Live Tape 99 e depois saiu e o Rômulo retornou, gravou todos os álbuns que lançamos até hoje e saiu em 2008, sendo substituído pelo Kleber, que está na formação atual. Com guitarrista solo, houve somente uma troca, o Humberto saiu em 2005 e o Hélio entrou em seu lugar e está até hoje. Eu estou desde o início e o Flávio entrou na banda no início de 1990, quando gravamos a primeira demo oficial e praticamente também é considerado um membro original. Todas as alterações na formação foram feitas de forma amigáveis e todos que saíram da banda, saíram por vontade própria, ninguém nunca mandou ninguém embora, por isso ainda somos amigos dos ex-integrantes até hoje. Eu sempre lidei naturalmente com essas mudanças, porque não se pode fazer nada quando algum integrante resolve sair, eu simplesmente concordo com os motivos que o cara apresenta para sair da banda e em seguida eu e os outros integrantes vamos procurar um substituto, para a locomotiva Death Metal continuar funcionando a todo vapor.

Comando Metal Zine – Sabemos que viver só da banda é quase impossível, principalmente aqui no Brasil. Os integrantes tem trabalho paralelos?
Junior: Sim, nós todos temos trabalhos paralelos. É praticamente impossível viver só da banda no Brasil e ainda mais se tratando de uma banda de Death Metal. Viver só tocando Death Metal é coisa de paises como Suécia, Alemanha, Noruega, Holanda e outros paises europeus, a nossa realidade esta muito longe disso. Na nossa realidade o pouco tempo que sobra, nós procuramos dedicar o máximo possível nos ensaios e nos shows para a banda continuar sempre firme.    

Comando Metal Zine – Qual foi o melhor e o pior show do Corpse Grinder?

Junior: É difícil dizer qual foi o melhor, mas um dos melhores foi um show que fizemos em Cuiabá em abril de 2008, nós tocamos todas as músicas que estavam programadas e o público pediu mais e nós acabamos tocando mais 4 músicas, sendo que uma, a “Shadows Land”, nós repetimos no final, porque a galera pediu em coro e eu anunciei como “Shadows Land Again”. Já o pior show, também é difícil de dizer, mas um dos piores foi aqui em nossa cidade (Machado-MG) em 1991, quando ainda éramos um trio, foi em um  ginásio, nós fomos a ultima banda, tocamos umas duas ou três músicas e desligaram a aparelhagem e o público começou a xingar os organizadores e o pessoal do som, entrou polícia no meio, foi uma confusão total, mas felizmente muitos anos depois, no início dos anos 2000, rolaram muitos shows aqui em nossa cidade, que foram verdadeiras celebrações do underground, inclusive em um show aquí nós gravamos um cd demo ao vivo chamado “Underground Celebration Live 2003”.

  


Comando Metal Zine –  Hail To Death Metal Legion pode ser considerado o trabalho mais completo e maduro do Corpse Grinder?
Junior: Eu acho que sim, pois é o nosso material mais novo e com os erros cometidos nas gravações dos álbuns anteriores, nós aprendemos muito e adquirimos mais experiência.

Comando Metal Zine – Como esta sendo a repercussão do Cd?
Junior: Está muito boa, as críticas em zines, websites e revistas tem sido favoráveis.

Comando Metal Zine – Se não me engano os integrantes do Corpse Grinder não residem na mesma cidade. Como funciona os ensaios?
Junior: Sim, isso mesmo, eu, o Flávio e o Kleber moramos em Machado e o Hélio em Alfenas, mas nossas cidades ficam somente 33 Km uma da outra e nós ensaiamos quase todos finais de semana.

Comando Metal Zine – O que é ser “Real” na cena para você?

Junior: É você ter o Metal como parte da sua vida, da sua personalidade. Ser real é ter o Metal como um estilo de vida, é você ser headbanger a vida toda, independente de estar mais velho, ou estar casado com 1 ou 10 filhos, ou solteiro, cabeludo ou careca,rico ou pobre. O que importa é ter o metal no sangue e não ficar dando desculpas da vida particular, para explicar porque deixou de ouvir som. Eu acho que cada um deve fazer o que quiser de sua vida sem dar explicação para ninguém, mas acho que o Metal nunca deve ser tratado como moda, porque moda vai uma e vem outra, é uma coisa descartável e sem valor e o Metal é eterno para quem é real!

Comando Metal Zine – Qual o seu Cd de cabeceira?
Junior: Massacre – “From Beyond”. Sou fã deste álbum antes dele ser lançado, pois já conhecia quase todas as músicas da época das demos do Massacre, inclusive com o nome de uma delas “batizamos no sangue” nossa banda!



Comando Metal Zine – Valeu pela entrevista. Deixe um recado final para nossos leitores.
Junior:Agradeço muito pela oportunidade e aproveito para dar um recado aos reais headbangers, que nosso próximo lançamento, o DVD/CD “20 Years Grinding Corpses “,comemorando 20 anos de luta no underground, estará sendo lançado no próximo mês. Este é um material feito de headbanger para headbanger e esperamos contar com o apoio de todos adquirindo este nosso novo trabalho, que foi feito com muita luta em nome do verdadeiro Metal! Valeu!!!




ENTREVISTA FEITA EM 2010 NO COMANDO METAL 
ZINE Nº 04