sexta-feira, 10 de junho de 2022

FRANK (MORCEGOS)


 

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2022

Oitão de ‘cozinha nova’: Rodrigo Oliveira (Korzus) é o novo baterista

O Oitão, banda paulistana de metal punk/hardcore, acaba de anunciar o novo baterista: é Rodrigo Oliveira, com a experiência de 25 anos nas baquetas de outra seminal formação da música pesada nacional, o Korzus. Rodrigo Oliveira já está integrado ao Oitão, participando de ensaios e pré-produção do terceiro disco que a banda, também formada por Henrique Fogaça (vocal), Ciero (guitarra), Ricardo Quattrucci (guitarra) e Tchelo Martins (baixo), lançará ainda em 2022. O versátil Rodrigo Oliveira é um dos grandes bateristas do mercado de rock/metal da América Latina. Está em atividade no instrumento desde meados da década de 1990. Rodrigão traz também ao Oitão a sua experiência de tocar em grandes festivais, como Rock in Rio, Porão do Rock (Brasília), Abril Pro Rock (Pernambuco), Chimera (São Paulo), entre outros. Em 2014, Rodrigo foi selecionado para realizar uma turnê com o Metal All Stars, uma super banda com artistas renomados como Max Cavalera, David Ellefson (Megadeth), James LaBrie (Dream Theater), Geoff Tate (Queensryche) e muitos outros. Expandindo sua atuação dentro do universo musical, Rodrigo embarcou em uma jornada pela produção musical atuando no conceituado Dharma Studios, de sua propriedade. Produziu diversas bandas de metal brasileiro, como o próprio Korzus, Worst, Rygel, Fucking Violence, Alírio Netto, Sanny Mazza, Ancesttral, Andralls, entre outros. 

Siga o Oitão no Instagram: https://www.instagram.com/oitaohc
Siga a Canil Records: http://www.instagram.com/canilrecords

terça-feira, 1 de junho de 2021

PENTAGRAMATON (2008)



                           PENTAGRAMATON





Criado para resgatar o tradicional Black Metal, na região de Dourados/MS, sua demo procura atingir e profanar a moral cristã. M. Rex Phallus (vocal) apresenta sua ideologia, confira! 

 

Comando Metal Zine – Como surgiu a idéia de montar o Pentagramaton e qual a proposta que a banda quer passar ao público?   

M. Rex Phallus – (Pro Mou Iugues) A pútrida Pentagramaton nasce em  2005 com a única e sincera tentativa de exaltar os já corrompidos espíritos de Espectro AgamenomWar 666, Destructor Necrófago e M. Rex Phallus. Como a verdade de um Oráculo, essa força nos tomou de tal forma que se tornou intolerável fugirmos desse abate iminente. Em 2006, isso ficou mais perceptível, quando por uma forma onírica recebi o chamado. Vendo a análise e interpretação dos sonhos, como uma verdadeira linguagem com os Deuses do abismo, se preferir inconsciente, lançamos nesse mesmo ano, necessariamente dia 06.06.06 a fita promocional com a musick “Opereta de Nuctemeron (A Luz do Ocultismo)”, com distribuição limitada apenas aos soldados da nova inquisição. Nossa proposta desde então, delimitou-se a plantar sementes, incitar a Guerra e cobrir almas com o vasto manto dos Ídolos em ascensão. De uma forma ritualística, oferecer suporte ao encontro de Érebus...”Conhece a ti mesmo”.

 

Comando Metal Zine - Porque vocês colocaram a Introdução do Filme Nosferatu, da década de 1920?

M. Rex Phallus – (Opiso Mou Teletarcai) A magia negra está tão latente em nós que nos consome por completo. A musick não é a única ilustração que temos desse legado de fogo, ao contrário, isso é observável em uma dimensão monumental em nossaexistência. A literatura, filmes, outras artes e escolhas pessoais evidenciam claramente nossa relação com a transcendência. O prólogo de nossa obra, batizado por nós como Igni Natura Renovatur Integra (I.N.R.I.), do filme, enfoca essa situação como algo crescente e tomando forma. Podemos ouvir algo se aproximando, mas só percebemos a dimensão da bestialidade no soar do primeiro riff de guitarra. É interessante observarmos também, que Nosferatu é um filme que de maneira bastante sutil, foge do romantismo apresentado por outros filmes de Drácula, ressaltando também a questão da Peste Negra. Sem contar, é claro, com o valor simbólico de um ser possuído pelas trevas, sedento por sangue e com aversão a religião. Coincidência?

Comando Metal Zine  – A primeira demo do Pentagramaton tem apenas introdução e mais duas músicas, sendo que uma é cover do Beherit. A banda já tem composições novas?

M. Rex Phallus – (Ipi Dexia Synoceis) Como diziam os antigos guerreiros Xinto: “A erva daninha da covardia” não nos abateu. A Besta nasceu e agora anda, fazendo com que a Pentagramaton caminhe ao seu lado. O que muitos não conseguem compreender são os ritos que se fazem necessários nos processos de composição.

A influência da Lua, os transes e intensas manobras dos Deuses nos impedem de realizar feitos desenfreados e passíveis de legitimidade, forçando assim, um trabalho mais brando com relação ao tempo. Como havia dito, a Pentagramaton vem com a intenção maior de enaltecer nossos espíritos. As obras que, por ventura, surgem dessas fúnebres celebrações são conseqüências.

Comando Metal Zine – O Pentagramaton pensa em compor em inglês ou somente em português?

M. Rex Phallus – (Epariste Daimones) Seguir o rebanho e morrer sem resistência é característica do cordeiro. Apesar de determinado domínio com a língua inglesa, bandas que não entoam seus hinos com a língua mãe, me denotam certa incompreensão. A língua como o sangue, elucidam sua nação, como  outras particularidades que levamos para o túmulo. Talvez o latim, como uma herança primordial se faz presente em nossos petardos, porém se analisarmos a história e fluência do Português, verificamos a rispidez e maldição que ela conota. Poderia um exército ser comandado com uma língua que não seja a própria?

Comando Metal Zine - Quais as bandas de Black Metal que você curte e que te influenciaram?

M. Rex Phallus – (Flegei Gar Peri Mou O Ashtr Ton Pente) Pessoalmente sempre considerei Metal Negro toda forma de musick que evocam mitos e encantos por excelência. A idéia de rótulos subjuga e delimita o som, porém faz-se necessário na compreensão do mesmo. Apesar de estudioso e colecionar de discos (“sei que nada sei”), costumo dizer que sempre voltamos ao berço, ouvindo os antigos clássicos. Acho que falo por todos na imunda Pentagramaton, quando cito imoralidades como Sarcófago, Goatpenis, Mystifier, Amen Corner ou Impurity, por exemplo. No entanto, é incontestável o apelo que certos estilos possuem em cada um dos integrantes dessa obscura mandala que criamos. Destructor Necrófago é um saudosista amante do Thrash Metal de raiz, sendo Espectro AgamenomWar 666 um verdadeiro entusiasta de canções de guerra que vangloriam sua convicção ideológica-política.

Comando Metal Zine - O que você acha sobre essa onda de bandas que usam o “corpse paint”?   

M. Rex Phallus – (Kai En Thi Sthlhi) Fica impossível remeter a questão da pintura corporal sem me ater a Sombra e Persona do teatro grego ou adornos faciais usados pelos mais diversos guerreiros, das mais diversas regiões do planeta. Ela funciona como mais um instrumento na expressão de sentimentos e com o Metal Negro não é diferente. Verificamos que mais uma vez, nossa pátria mostrou-se pioneira no uso desse artifício na musick, porém com uma conotação extremamente pessoal e mórbida, o culto à morte, pois como vemos no livro de jeohvá, já está morto aquele que não segue sua palavra.

Comando Metal Zine - Quando iremos ver o Pentagramaton ao vivo?


M. Rex Phallus – (O Asthr Ton Ex Esthke) Quando “Ele” permitir! A Pentagramaton é um objeto “Dele” na Terra e sua dádiva sobre nós tem sido generosa e gratificante. Seria desleal e hipócrita conosco, celebrar ao lado daqueles que não partilham do fervor ao pentagrama. Esse se tornou um empecilho para tocarmos ao vivo, pois dificilmente aceitamos a presença do violado nazareno ao nosso lado em um palco, por exemplo. Não estamos aqui por reconhecimento, mulheres e álcool barato; nos permitimos esses prazeres sem usurpar do nome da nossa banda.


Comando Metal Zine - Você curte Metal a mais de uma década, o que acha que falta para a cena do Mato Grosso do Sul, em especial Dourados?

M. Rex Phallus – (Apo Pantoz Kakodaimonos) O que dizer da terra onde nasci e em breve serei enterrado? Minha relação com o Mato Grosso do Sul, e principalmente Dourados, é tão estreita que compromete qualquer coisa que possa falar. Sua aura alimenta e destrói, fazendo acreditar que aqui é um lugar especial, o perfeito purgatório. Temos uma atmosfera aparentemente pacata e campesina, reforçando uma cultura, de certa forma, antiquada. O que seria melhor para a prática de meditação e feitos de necromancia? Muitos em nossa cidade, essencialmente os mais jovens, têm dificuldades em perceber valores e qualidades, eventualmente afetando também o que alguns chamam de “cena”. O eterno discurso cristão de união que fazem as bandas, é fruto de uma incapacidade de perceber que antes de nos unirmos, precisamos ter elementos para tal. Os ditos bangers daqui sempre acharam melhor ouvir covers em shows ou entrar de graça nos poucos eventos que ocorrem (risos). Isso é hilário!! Existe um processo gradativo e de etapas que muitos insistem em atropelar, fazendo cada vez mais acreditar na máxima: “O forte é mais forte sozinho”. Como um presente da serpente, ainda podemos observar soldados carniceiros de bandas excelentes como: Domínio da Escuridão, Coró de Cova, Extermínio, Fallen, Profane Souls, Aggression, Espectros Quasar, Desejo Impuro, Alcoholic Death, etc.


Comando Metal Zine - E sua outra banda, o Acrópole, sai no primeiro semestre de 2008 a demo? 

M. Rex Phallus – Infelizmente, não. O poderio beligerante da Acrópole se fortificou, mas o inimigo é astuto. Apesar de estarmos com conjurações, hinos e cânticos prontos, esbarramos nas dificuldades e limitações enfrentadas pela grande maioria.

Comando Metal Zine – Bom, meu amigo, eu agradeço a entrevista e para finalizar, como sempre o espaço é seu.

M. Rex Phallus – Ventos de peste para ti, irmão de batalhas. Agradeço imensamente, a maligna oportunidade. Oremos:

 

“A Vós  invoco, ó Não Nascido.

A Vós, que criastes a Terra e os Céus.

A  Vós, que criastes as Trevas e o Dia.

A Vós, que criastes as Trevas e a Luz.

Vós sois Ra Hoor Khuit, Eu Mesmo feito perfeito, a quem nenhum homem jamais viu.

Vós sois Ia-Besz, a verdade na Matéria.

Vós sois Ia-Apophrasz, a verdade em Movimento.

Vós distinguistes o Justo do Injusto.

Vós fizestes a Fêmea e o Macho.

Vós produzistes as Sementes e a Fruta. Vós forjastes os Homens para amarem uns aos outros, e para odiarem uns aos outros.

Sou Vosso Profeta, a quem Vós confiastes Vossos Mistérios, as Cerimônias de Thelema. Ouvi-me, pois sou o Anjo de Nu, O Anjo de Had, o Anjo de Ra-Hoor-Khu: Esses são Vossos Verdadeiros nomes, entregues aos Profetas de Thelema .”

 

(Invocação egípcia, adaptada pelo Frater Perdurabo)

 

Amem.

 


quarta-feira, 26 de maio de 2021

BANDA MISBEHAVIOUR LANÇA SEU PRIMEIRO DVD OFICIAL "LIVE PANDEMIC"

 LIVE IN PANDEMIC!

Contagem regressiva para o primeiro DVD oficial do Misbehaviour! Sexta feira que vem! Dia 28/05 as 20h no canal do YouTube da banda: Misbehaviour Official!
Esta apresentação artística é uma realização do Governo do Estado de MS por meio de sua Fundação de Cultura, proveniente da Lei Federal de Emergência Cultural n. 14.017/2020 - Lei Aldir Blanc.



Misbehaviour - Gilson Buzzio (Vocal/Bass), Guilherme Queiroz (Keyboards/Bass), Jhony Lokura (Drums), Nairon Medina (Guitar)



domingo, 11 de abril de 2021

BLACK SABBATH - MASTER OF REALITY (1971)


 

Falar de Black Sabbath no auge é chover no molhado os "homi" tava comendo qualquer banda com farinha, e vindo ainda da inspiração de seu antecessor o badalado ‘’Paranoid’’ também de 1971 eis que seu terceiro álbum de estúdio o famigerado ‘’Master of Reality’’ chegava as prateleiras.

Tido por muitos como o pai do Stoner/Doom e eu não discordo, com um som mais cadenciado e potente aliado a uma afinação mais baixa o ‘’Master’’ para os íntimos creio que foi um dos álbuns do Sabbath que mais bandas fizeram versão cover das músicas, mas não é pra menos só tem pedrado do inicio ao fim, talvez por isso seja o meu favorito na discografia toda e olha que escolher um favorito do Sabbath pra min vish essa tarefa não é fácil.

 

01 – Sweet Leaf = A música que abre o álbum um verdadeiro hino e um ode ‘’disfarçado’’ a maconha já que em algumas versões da história dizem que a famosa tosse no começo foi porque o Riffmaster Tony Iommi se engasgou com um baseado e outras fontes falam que ele se engasgou com um cigarro da marca ‘’Sweet Leaf’’ bem não importa sabemos que é uma pedrada das mais clássicas com seu riff grudento você escuta e sem perceber fica o dia todo cantarolando o mesmo, sem falar quando esta com seus amigos na rodinha de ‘’folha doce’’ e alguém começa a tossir não tem como não lembrar desse som.


02 – After Forever = Após a paulera vem um som que parece mais ‘’zen’’ mas só parece mesmo, com seu sintetizador logo de cara e depois aquele riff acompanhado do baixo destruidor do Geezer, chega esse petardo que confesso que quando fui buscar a tradução a primeira vez achei a letra gospel demais, quase um nível voz da verdade mas foi só a primeira interpretação que tive depois entendi realmente a mensagem que eles quiseram passar, o baixo simplesmente manda nessa musica as linhas usadas soam furiosa pra caramba uma das linhas de baixo mais lindas que o mestre Geezer já fez, como diz o craque Neto ‘’Um monstro sagrado’’

 

03 – Embryo = Chegamos então a Embryo a terceira faixa do cd, deve ser a música instrumental mais famosa do Sabbath pois sempre o God Iommi toca ela nos shows, e como o próprio nome já diz é um embrião pro caos que é a próxima faixa


04 – Children Of  The Grave = Um nome porrada pra um som porrada, o seu riff crescente já nos alerta do panteão de loucura que nos espera, não tem como não banguear curtindo esse som, e não é pra menos uma letra pesada falando de uma guerra nuclear, tudo muito bem escrito com o padrão Black Sabbath de qualidade, meu sonho é fazer um cover dessa pedrada com a minha banda, mas acho que isso vai ficar só no sonho mesmo.


05 – Orchild = Outro lindo som instrumental do mestre Iommi, aqui ele nos prende em um som imersivo uma ótimo intro para a próxima faixa


06 – Lord Of This World = Esse som é como uma granada, o Riff inicial é a retirada do pino e a entrada da bateria a explosão, intro fodida da banda e com sua base cadenciada em quanto o "Ozzão" canta de forma meio pausada, encaixa tão perfeito quanto a manteiga no pão quentinho, a letra é outro show a parte da banda na minha interpretação é como alguém perdendo a sanidade e entrando em uma depressão se arrependendo de ter feito apenas o mal, Sabbath sendo Sabbath.


07 – Solitude = Aaa Solitude aahh, Solitude significa solidão e é algo mais que necessário pois as vezes temos que ficar sozinhos com a gente mesmo, mas voltando a musica muita gente diz que Changes é a balada mais linda do Sabbath mas eu apesar de gostar muito ainda acho Solitude mais linda, principalmente por essa vibe de ‘’musica de elevador’’ que ela passa um dia descobri a sua versão demo e nela o Ozzy canta sem efeito na voz é incrível como gostei mais ainda da música.

08 – Into The Void = Um encerramento foda para um disco foda, você escuta o Riff e já imagina o Tio Ozzy fazendo aquelas caras e bocas que ele sempre faz quando executam essa música ao vivo, gostaria de voltar no tempo e ver a galera reagindo a esse som, tudo soa foda desde a introdução ate aquela virada que ela tem no meio e que deixa a musica com uma pegada mais Rock n Roll nota 10 demais.


Pablo Franco

Vocalista Banda Zangra 

Apresentador Programa Metal Sem Frescura 

                                                                         





sábado, 10 de abril de 2021

O AFFRONT, banda carioca de Thrash Metal, anunciou a capa do seu novo

 O AFFRONT, banda carioca de Thrash Metal, anunciou a capa do seu novo single, "Ritual of Ignorance". A música inédita estará disponível para streaming nas plataformas digitais.
Agora um quarteto, com a entrada do experiente guitarrista Rubens Lessa (que já participou das gravações do single), este será o primeiro lançamento depois do segundo álbum do grupo, "World in Collapse" (2019). A capa foi produzida pelo baixista e vocalista M.Mictian.
"A capa reflete um pouco de toda obscuridade que estamos vivendo neste momento sombrio e perigoso. A ignorância, a burrice, a alienação, a hipocrisia e o mau-caratismo são armas perigosas em mãos de uma boa parcela dessa sociedade doente", comentou Mictian.